A&P Arquitetura | Ficha técnica – Concurso Sede do IAB/TO

Ficha técnica – Concurso Sede do IAB/TO

Foi compreendido como problema principal do Concurso a melhor compatibilização de:

1) O alto Índice de Aproveitamento do terreno com taxa de ocupação de 50% acima do térreo, que impõe verticalização;

2) a variedade de funções que impõe térreo vazado sob pilotis como espaço distribuidor de fluxos e

3) a construção em etapas que exige ônus mínimo nas etapas precedentes, principalmente na 4a etapa.

O partido adotado atende as imposições mediante:

 

A 2a etapa é exceção já que impõe, para um bom funcionamento, nível único cuja dimensão ultrapassa a taxa de ocupação de 50%, razão pela qual situou-se no 1° subsolo (aumentando a escavação e contenção da 1a etapa),

 

A 1a etapa, superposta ao térreo vazado, é uma lâmina estreita e comprida (7,5 por 37,5 m) que abriga a parte institucional do IAB TO.
Sob esta lâmina existem três níveis de subsolo: um de espaço de reserva para a 2a etapa e dois de garagens.

A 3a etapa é constituída por um pequeno prédio superposto transversalmente e com estrutura independente que se articula com a 1a etapa e que usa parte do terraço da mesma como expansão do restaurante.

A 4a etapa é constituída por uma torre, também superposta transversalmente à primeira, de doze pavimentos cujo acesso independente se realiza pelo nível térreo.

 

A estrutura do conjunto é metálica; convencional nos subsolos e com vigas treliça nas fachadas e pilares nos vértices na 1a, 3a e 4a etapas.

 

A 1° etapa possui fachadas verdes, técnica que tende a difundir-se, e se compõe de painéis com vasos e/ou hidroponia vertical, tela metálica de suporte à variedade de trepadeiras do cerrado: cipó-de-ouro (Peixotoa reticulata), (Mandevilla antennacea), sambaibinha (Davilla nitida), cipó-de-folha-dura (Paragonia pyramidata), etc.

 

Os compartimentos da 1a etapa se voltam para o sul e possuem ventilação cruzada pelo rebaixamento do forro da circulação ou diretamente.

 

As fachadas da 3 etapa tem tratamento diferenciado; no nível do restaurante são de esquadria de vidro, dado que seu uso será durante o meio dia e à noite; sendo que o tratamento de modulação da luz será interno e, preferentemente, de madeira de modo a minorar a reverberação. No nível dos consultórios e biblioteca a esquadria das fachadas Este e Oeste serão protegidas por brises verticais móveis. A fachada Norte, correspondente à biblioteca, é cega dado que existe iluminação zenital mais adequada para esta função.

A iluminação zenital é composta por “sheds” com placas fotovoltaicas para aproveitamento de energia solar.

Na 4 etapa, as fachadas Este e Oeste são protegidas por brises verticais móveis. A fachada norte é protegida por pele atenuadora da luz com micro-brises horizontais (do tipo “Aerobrise” da Hunter Douglas).

 

Na fachada posterior da 1a etapa, as unidades condensadoras de ar condicionado situam-se entre a esquadria e a fachada verde posterior. Na 2a etapa, essas unidades situam-se o espaço superior das rampas de acesso à garagem também do lado sul. Na 3a etapa as unidades condensadoras se situam na cobertura; e na 4 etapa na fachada Norte, entre a esquadria e os micro-brises.

 

A área de permeabilidade é substituída por reservatório de retenção de cheias calculado para acumular um pico de chuva de 90mm diários e equivalendo a 330 m² (30% de permeabilidade) com um total de 30m³. Este reservatório, assim como os reservatórios de água de reuso e potável, situam-se sob as rampas do último subsolo.

 

 

.